segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Descobrindo a Califórnia - Anderson Valley – Parte 2

Conforme mencionado antes (veja aqui), uma das dificuldades iniciais em nossa viagem para Anderson Valley foi encontrar um hotel estrategicamente localizado no meio do vale, o que nos demandou certo tempo. A perseverança, no entanto, foi recompensada, se mostrando nossa decisão a mais acertada.

Primeiramente, pelo próprio Boonville Hotel, original e charmoso, além de contar com um ótimo restaurante, o Table 128.

Em segundo lugar, pela localização em si. Como estávamos em Boonville, nossa base era no centro do vale, e em poucos minutos tínhamos diversas vinícolas ao nosso alcance, o que ajudou a otimizar nosso tempo.

Passamos dois dias e duas noites em Anderson Valley, tempo bem razoável, nos possibilitando visitar algumas vinícolas, até mesmo repetindo uma delas.
 
Logo que chegamos optamos por almoçar no The Buckhorn Boonville, um saloon no melhor estilo faroeste, que servia deliciosos hambúrgueres de bisão, de búfalo, de cordeiro, dentre outros. Além disso, o restaurante tinha uma carta com vinhos locais, e das demais subregiões de Mendocino, como da vizinha Yorkville.

Na sequência, visitamos nossa primeira vinícola no vale, a Toulouse Vineyards, localizada no alto de uma colina e com vinhos incríveis, desde os brancos, dentre os quais se destacou o Gewürtztraminer, até os Pinots Noirs. Não sem razão é um dos tastings rooms mais populares da região.

Para encerrar o dia, visitamos a Goldeneye Winery, dos mesmos proprietários da tradicional Duckhorn em Napa. Aqui fizemos uma das degustações mais interessantes da viagem. Iniciamos com um Chardonnay e um Pinot Noir de Russian River Valley, em Sonoma, ambos da safra 2012, da vinícola Migration, dos mesmos proprietários. O segundo vinho tinha por intuito mostrar bem o contraste de estilos com os Pinots de Anderson Valley, os vinhos seguintes.

Na sequência, provamos o Goldeneye Anderson Valley Pinot Noir 2011, o vinho de entrada da vinícola, com uvas de diferentes partes do vale, e de excelente custo-benefício. Os vinhos seguintes eram de vinhedos únicos, de pontos diversos do vale, com o escopo de mostrar as diferenças de terroir dentro da região, principalmente por conta de diferentes exposições solares e a maior ou menor proximidade do oceano Pacífico. Os vinhos degustados foram os seguintes: Goldeneye Anderson Valley Pinot Noir Confluente Vineyard 2011; Goldeneye Anderson Valley Pinot Noir Gowan Creek Vineyard 2011 (nosso preferido); Goldeneye Anderson Valley Pinot Noir The Narrows 2010 e Goldeneye Anderson Valley Pinot Noir Ten Degrees 2012.

Gostamos tanto que acabamos por voltar no final do dia seguinte, comprando um Chardonnay para beber ao ar livre na vinícola.

Encerramos nosso dia com um agradável jantar no Table 128. Nessa ocasião, nos foi oferecido por um dos enólogos que ali jantava duas taças de um surpreendente  Pinot Blanc 2013 de uma nova vinícola em Mendocino chamada Skylark, um projeto de John Lancaster e de Robert Perkins, do Boulevard Restaurant, em San Francisco.

No dia seguinte, iniciamos cedo pela Navarro Vineyards, simplesmente imperdível não apenas pelos vinhos, praticamente apenas vendidos diretamente ao consumidor final, mas também por ser uma das vinícolas mais antigas do vale. Além disso, o local oferece uma das melhores vistas do vale, com área para piqueniques e vendendo os deliciosos queijos de ovelha e cabra da Pennyroyal Farm, uma queijaria local.

Em seguida, visitamos outra parada obrigatória na região, a Roederer Estate (da ChampagneLouis Roederer), onde além de degustarmos os espumantes Brut, Brut Rosé, Extra Dry e o L’Ermitage, ainda provamos duas safras do Roederer Estate Anderson Valley Pinot Noir (2010 e 2013) e o  Roederer Estate Anderson Valley Chardonnay 2012, todos excelentes.

Após um pequeno almoço no mexicano Libby’s Restaurant,  visitamos a Handley Cellars, também uma das mais tradicionais de Anderson Valley, com belos vinhos Pinot Noir, se destacando ainda os brancos, principalmente o Chardonnay. Essa é mais uma visita obrigatória.

Em seguida, ainda fizemos uma degustação na Breggo, uma das recentes vinícolas da região, destacando-se pela produção de vinhos Pinot Noir, Chardonnay e Sauvignon Blanc de vinhedos únicos, buscando explorar as diferenças do terroir local.

Após uma “saideira” na Goldeneye Winery, encerramos com um jantar no Table 128, restaurante do nosso hotel.

Cheers!

Um comentário:

Elaine leite disse...

Excelentes dicas !! Obrigada